Café forte é café bom?

Os termos chafé e café americano são muito comuns entre as pessoas que estão acostumadas com uma bebida bem escura e amarga, geralmente acompanhada de açúcar. Por isso, café forte e preto vira sinônimo de bom, mas será que é isso mesmo?!

Antes de discutirmos se café forte é bom ou não, vamos refletir sobre o conceito de forte. Uma caipirinha forte, por exemplo, é aquela que tem grande quantidade de destilado e pouca fruta, certo?! Portanto, um café forte é aquele que tem muito pó para uma quantidade menor de água.

Seguindo esse raciocínio, podemos dizer que se um café é naturalmente mais doce, essa característica fica ainda mais em evidência quando coado com muito pó e pouca água. Porém, ele não é necessariamente amargo ou escuro.

Um café forte não significa que ele será mais preto ou amargo, e a confirmação de que café escuro é bom vem de tradições brasileiras do passado e reina nas memórias afetivas da maioria até hoje.

Por anos, a indústria nacional cafeeira oferece cafés de baixa qualidade para pessoas que não queriam, ou não podiam pagar mais caro pelo produto. A solução para comercializar tais grãos com defeitos e impurezas foi deixar a torra mais escura e mascarar sabores desagradáveis. O amargo que se prova nos cafés Tradicionais hoje é resultado de uma torra bem escura, porém, vendido com a ideia de que “café forte é café bom”.

Se você analisar a história do café no Brasil, notará que as memórias afetivas do consumidor brasileiro remetem ao café da vovó. Uma mesa farta de bolos, bolachas caseiras e um café passado na hora no coador de pano com muito açúcar. A doçura dessas memórias define o julgamento do consumidor e ele, de forma inconsciente, proclama o café amargo e preto como o melhor café.

Com o advento dos cafés de Categoria Especial no Brasil, os grãos possuem perfil de torra mais clara (com a cor marrom) e são isentos de defeitos. Esse conjunto de características faz com que não precisem esconder possíveis impurezas através de torras mais escuras, e assim, sua cor final na xícara é mais clara quando extraído. O conceito de “chafé” surgiu desse desentendimento, contrapondo o conceito do café forte e amargo.

Quebrar paradigmas e algumas culturas pode ser desafiador, mas com cada vez mais informação e o hábito de degustar outros tipos de café, essa ideia está mudando aos poucos. Como sugestão, coloque um café Tradicional ao lado de um café Especial e compare sabores, aromas e texturas. Você verá que café não é tudo igual e que intensidade é aquela que tem grande quantidade de café diluída em pouca água.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

1 Comment

Deixe um comentário

Your email address will not be published.

*

After you have typed in some text, hit ENTER to start searching...