Agora as cápsulas de Orfeu são biodegradáveis

Nós estamos muito felizes em dizer que as cápsulas de Orfeu compatíveis com máquinas Nespresso® fabricadas a partir do dia 1 de outubro são biodegradáveis e compostáveis! Depois de muito estudo, trabalho e dedicação, conseguimos dar um grande passo para tornar o consumo de cápsulas no Brasil mais sustentável.

Mas afinal, o que é uma cápsula biodegradável?

A cápsula biodegradável e compostável de Orfeu, quando destinada ao lixo orgânico e tratada no local correto, vai se degradar completamente e transformar-se em nutriente para a natureza. Sim, em adubo! Essa transformação “mágica” é possível porque as cápsulas do café Orfeu são feitas de um exclusivo bioplástico de fontes renováveis e naturais. Tudo isso permite a biodegradação completa da cápsula em até 4 meses se destinada ao tratamento adequado de lixo orgânico.

 

Conheça o ciclo da cápsula biodegradável do começo ao fim

A cápsula com títulos que nos enche de orgulho

Para você saber se o café que está comprando contém as cápsulas biodegradáveis, basta procurar por esses selos:

 

 

Cápsula Biodegradável Orfeu: Este selo criado por nós garante que as cápsulas dentro da embalagem são 100% biodegradáveis e compostáveis.

 

 

OK Compost e OK Biobased: este selo global garante, pela norma europeia EN13432,  que o material usado é compostável e feito a partir de fontes renováveis.

 

Rótulo Ecológico ABNT: É o único programa de rotulagem ambiental aprovado pelo Global Ecolabelling Network (GEN) no Brasil que garante que o produto certificado é a melhor opção para o meio ambiente em comparação a produtos similares da mesma categoria.

 

 

 

 

E quais são as formas corretas de descartar as cápsulas biodegradáveis de Orfeu?

O primeiro passo para o descarte é garantir que as cápsulas sejam tratadas como lixo orgânico. Isso mesmo! Por elas serem feitas de um exclusivo bioplástico compostável, elas devem ser jogadas no mesmo lixo da casca de frutas, sobras de vegetais e restos de comidas em geral.

Para todo esse lixo orgânico voltar à natureza de forma limpa e sustentável, ele deve ser destinado a lugares que estejam prontos para iniciar o processo de biodegradação e compostagem. Temos algumas opções:

Coleta Seletiva: em algumas cidades no Brasil já é possível destinar o lixo orgânico de forma adequada para tratamento. Se você já faz uso da coleta seletiva e ela destina o lixo orgânico para estações de compostagem, basta garantir que suas cápsulas estão sendo jogadas no lixo orgânico. Em até 4 meses, suas cápsulas virarão adubo, prontas para retornarem à natureza.

Composteira Termofílica: Apesar do nome complicado, a composteira termofílica nada mais é do que um recipiente que recebe materiais orgânicos e, com a ação das bactérias e fungos junto com calor e oxigênio, transforma o lixo orgânico em adubo. Hoje, existem empresas que recebem esse tipo de lixo, mas se preferir, é possível fazer na sua própria casa. Neste método, as cápsulas são biodegradadas e compostadas de 2 a 4 meses.

Processadora de Resíduos Orgânicos: Também conhecida como “composteira elétrica”, esse é, sem dúvida, o método mais prático e rápido de transformar as cápsulas em adubo, pois processa rapidamente os resíduos orgânicos por meio do calor e da movimentação mecânica.

Existem processadoras de resíduos orgânicos industriais, que já são amplamente utilizadas em restaurantes, empresas e shoppings. Agora, a mais inovadora é a de uso doméstico! Com um pequeno aparelho menor que um forno elétrico convencional, você pode processar seu lixo orgânico em casa. Demais, não?

A brasileiríssima Ecobox®, por exemplo, transforma as cápsulas Orfeu em adubo em até 7 horas!

A dica de ouro para quem quer fazer esse processo usando esse aparelho em casa, é misturar restos de comida, casca de frutas e materiais orgânicos junto às cápsulas biodegradáveis Orfeu. Quanto mais alimentos você processar com as cápsulas, mais nutritivo ficará o adubo e mais efetivo será o processo de compostagem. Você pode comprar aqui!

 

Lembre-se: Para garantir o frescor do café, as nossas cápsulas vêm embaladas em um saquinho de plástico com gás nitrogênio. Esse material é reciclável e, portanto, deve ser descartado no lixo de recicláveis!

O que fazer com o adubo gerado na compostagem da cápsula bio?

Se você tiver acesso ao adubo gerado por suas cápsulas biodegradáveis, recomendamos que você o retorne à natureza! Para isso, sempre misture na proporção 1:3, uma parte de adubo para três partes de terra, para que as plantas possam receber de forma equilibrada todos esses nutrientes.

 

Tem uma ideia? Manda pra gente!

Esta iniciativa é um dos diversos passos que damos diariamente para firmar um compromisso que nasceu conosco: cuidar bem do café, das pessoas e de nossa terra. Se você tiver ideias que nos façam evoluir ainda mais nessa jornada, entre em contato conosco!

E aí, prontos para degustar a novidade? Clique aqui e compre agora!

 

 

Apaixone-se pelo Microlote Beija-Flor

Essa não é a primeira vez que a Orfeu Cafés Especiais promoveu o encontro o mundo dos cafés com o da gastronomia. A primeira experiência com o chef estrelado Thomas Troisgros do restaurante Olympe , do Rio de Janeiro foi um sucesso e os estoques se esgotaram em poucos dias. Agora, para surpreender seu paladar a marca traz com exclusividade uma variedade de café inédita assinada pela chef Morena Leite, do Capim Santo .

 

Nascida pelo cruzamento das variedades Icatu e Catuaí Vermelho, a varietal Beija-Flor está em nossos braços há alguns anos na fazenda Sertãozinho sendo estudada e experimentada. Trata-se de uma novidade 100% brasileira e, por conta da intensidade das cores de seus frutos, leva o nome de um dos pássaros mais coloridos e delicados da natureza.

A Orfeu Cafés Especiais é a primeira marca a lançar essa variedade no mercado. Repleto de notas frutadas bem tropicais, ninguém melhor que Morena Leite para fazer a cocriação desse lote que vai dar o que falar. A experiência de nossos mestres de torra unida ao paladar afiado da chef resultou num perfil de torra ideal para agradar o paladar brasileiro.

Esse microlote com torra média-clara exalta a doçura e traz um corpo médio. Sua acidez é baixa com delicadas notas de acerola e pitanga, que expandem no paladar. Produzido no Talhão da Pedra, lá na Sertãozinho, em uma altura de 1.100 metros, o microlote Beija-Flor é mais uma das riquezas do Sul de Minas Gerais que poderá encantar seu paladar. Garanta o seu antes que esse estoque acabe também!

After you have typed in some text, hit ENTER to start searching...